14/09/2008

Sequência

tão fria
e escura
a noite
parece
real

: um
Poema
ignora
o poeta
e segue
mudo.

3 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Oi meu querido poetamigo!
Quantas vezes, nas noites frias, papel e caneta nas mãos, e o poema: silencia, fica mudo, prá mim, pro mundo e, quantas vezes acordo na noite e vem o poema todo, escorrendo pelos meus dedos num impulso? Vá saber, o bom é que permanecemos poetas...

Shi disse...

Pensa em mim, pensa em mim que o poema fala!!! rs :-| Bjo, bjo e outro bjo!

(l' excessive) disse...

Olá, Wilson
Deixei um presente para você lá no meu blog.
Espero que goste