24/12/2008

instante

vôo sempre alto demais
dentro
de uma noite

(tão clara) que os olhos
não decifram.

5 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Luz poderosa esta dos seus versos meu poetamigo! bjs e um feliz 2009

loba disse...

olha, vc voltou e só agora fico sabendo! Culpa desta minha ausencia sempre constante nos finais de ano, né? rs...
Querido, te desejo todos os vôos possíveis e tb os impossíveis. E que a Poesia esteja sempre iluminando a sua/minha/nossa vida, né? Feliz 2009!!!
Beijo grandissimo!!!

Alex Pinheiro disse...

Viva a poesia!!!
Precisando de uma noite clara,,,
Quero Clara caída no meu leito-noite,,,
Aiaiviw! rs

Abraços e enigmáticas invenções!

Anônimo disse...

Wilson:
Estou voltando ao Meu Porto. Depois da longa ausência, retorno.
A Poesia ainda me parece algo frágil, flor tenra que inspira atenção e algum cuidado. Apesar disso, ela parece forte o suficiente, para
enfrentar desafios e lançar, em pétalas-poemas, as suas cores.
Então, venho convida-lo a voltar a pisar esse meu lugar, convidá-lo a novamente, lançar âncoras.
Com o meu beijo e o meu carinho.

Míriam Monteiro -http://migram.blog.uolcom.br

Cláudia disse...

voo raso?